MEGA 94


Imagem: Reprodução/Facebook

Paulo Diniz morreu nesta quarta-feira aos 82 anos em Recife, cidade onde morava há muitos anos. Nascido no agreste Pernambucano, em Pesqueira, Diniz gravou uma série de álbuns, hoje cultuados, onde fundia o samba, o romantismo e os ritmos nordestinos com o soul, rock e a psicodelia.

Ele começou ainda nos anos 60 quando gravou um interessante disco que mesmo fincado na sonoridade da Jovem Guarda abria espaço para outros gêneros e misturas de estilos (“Brasil, Brasa e Braseiro”, de 1967). Desse disco saiu o sucesso “O Chorão” e uma canção pioneira no trato da temática racial (“Só Que a Minha Pele É Negra”). Outra música traz uma das primeiras, se não a primeira, menção ao ácido lisérgico na nossa música (“eu quero só dizer uma verdade pra você, na raça e na coragem sem tomar LSD”, em “Quero Ter Um Tigre Em Mim”).

O segundo álbum só saiu em 1970 e trazia um músico radicalmente diferente. “Quero Voltar Pra Bahia” tinha pegada mais roqueira e sua faixa título, do refrão “I don’t want to stay here, I wanna to go back to Bahia”, se transformou em sucesso nacional. A melancólica letra fazia menção ao exílio involuntário de Caetano Veloso e Gilberto Gil.

O LP seguinte, de 1971, traria aquela que se tornou sua música mais conhecida e regravada: a balada soul “Pingos de Amor”. Nos trabalhos seguintes ele colocaria música em uma série de poemas clássicos da língua portuguesa, como “José”, baseado em Carlos Drummond de Andrade.

Terminada a fase de sucesso popular, o cantor voltou para o Recife. Nos anos 80 ele contraiu esquistossomose e passou a sofrer com as sequelas da doença, que o deixaram paralisado.

No século 21 Diniz foi redescoberto por uma nova geração de fãs e artistas. Depois de quase duas décadas longe do estúdio ele lançou o CD “Reviravolta”, que acabou sendo seu derradeiro trabalho, e voltou a fazer shows, ainda que esporádicos, dado o seu estado de saúde.

Destaque da MPB

Paulo Lira de Oliveira, nome de batismo de Paulo Diniz, foi destaque na MPB entre as décadas de 1960 e 1980. Foi durante essa época, enquanto morava no Rio de Janeiro, que compôs e lançou suas obras mais conhecidas, como “Pingos de Amor”, sucesso na voz de Paula Toller, do Kid Abelha (gravada em 2000), “Canoeiro”, “Um Chopp pra Distrair”, “Ponha um arco-íris na sua moringa” e “Quero Voltar pra Bahia”. Essas últimas quatro músicas foram frutos de sua parceria com Odibar (1950–2010).

Redes sociais

Nas redes sociais, jornalistas e escritores lamentaram perda do músico pernambucano. Xico Sá, por meio da sua contar no Twitter, citou o fato de Paulo Diniz ter musicado o poema “E agora, José?”.




Fonte: https://www.vagalume.com.br/news/2022/06/22/paulo-diniz-sucesso-na-decada-de-70-morre-aos-82-anos.html Postado em: 23-06-2022


Paulo Diniz morreu nesta quarta-feira aos 82 anos em Recife, cidade onde morava há muitos anos. Nascido no agreste Pernambucano, em Pesqueira, Diniz gravou uma série de álbuns, hoje cultuados, onde fundia o samba, o romantismo e os ritmos nordestinos com o soul, rock e a psicodelia.

Ele começou ainda nos anos 60 quando gravou um interessante disco que mesmo fincado na sonoridade da Jovem Guarda abria espaço para outros gêneros e misturas de estilos (“Brasil, Brasa e Braseiro”, de 1967). Desse disco saiu o sucesso “O Chorão” e uma canção pioneira no trato da temática racial (“Só Que a Minha Pele É Negra”). Outra música traz uma das primeiras, se não a primeira, menção ao ácido lisérgico na nossa música (“eu quero só dizer uma verdade pra você, na raça e na coragem sem tomar LSD”, em “Quero Ter Um Tigre Em Mim”).

O segundo álbum só saiu em 1970 e trazia um músico radicalmente diferente. “Quero Voltar Pra Bahia” tinha pegada mais roqueira e sua faixa título, do refrão “I don’t want to stay here, I wanna to go back to Bahia”, se transformou em sucesso nacional. A melancólica letra fazia menção ao exílio involuntário de Caetano Veloso e Gilberto Gil.

O LP seguinte, de 1971, traria aquela que se tornou sua música mais conhecida e regravada: a balada soul “Pingos de Amor”. Nos trabalhos seguintes ele colocaria música em uma série de poemas clássicos da língua portuguesa, como “José”, baseado em Carlos Drummond de Andrade.

Terminada a fase de sucesso popular, o cantor voltou para o Recife. Nos anos 80 ele contraiu esquistossomose e passou a sofrer com as sequelas da doença, que o deixaram paralisado.

No século 21 Diniz foi redescoberto por uma nova geração de fãs e artistas. Depois de quase duas décadas longe do estúdio ele lançou o CD “Reviravolta”, que acabou sendo seu derradeiro trabalho, e voltou a fazer shows, ainda que esporádicos, dado o seu estado de saúde.

Destaque da MPB

Paulo Lira de Oliveira, nome de batismo de Paulo Diniz, foi destaque na MPB entre as décadas de 1960 e 1980. Foi durante essa época, enquanto morava no Rio de Janeiro, que compôs e lançou suas obras mais conhecidas, como “Pingos de Amor”, sucesso na voz de Paula Toller, do Kid Abelha (gravada em 2000), “Canoeiro”, “Um Chopp pra Distrair”, “Ponha um arco-íris na sua moringa” e “Quero Voltar pra Bahia”. Essas últimas quatro músicas foram frutos de sua parceria com Odibar (1950–2010).

Redes sociais

Nas redes sociais, jornalistas e escritores lamentaram perda do músico pernambucano. Xico Sá, por meio da sua contar no Twitter, citou o fato de Paulo Diniz ter musicado o poema “E agora, José?”.




Fonte: https://www.vagalume.com.br/news/2022/06/22/paulo-diniz-sucesso-na-decada-de-70-morre-aos-82-anos.html Postado em: 23-06-2022
MEGA POINT
Av. Afonso Pena 5154
Campo Grande MS
Whatsapp - 99143-9494

3042-9494
Mega94 (c)- Todos os direitos reservados.